Lavagem? Sonegação? Voce decide. Filho de 7 anos de Michel Temer tem R$ 2 milhões em imóveis

Posted in Sem categoria on julho 21, 2017 by gusbrum
Caçula de presidente em exercício, Michelzinho é dono de conjunto de escritórios no Itaim-Bibi; pai diz ter feito ‘doação’ como forma de ‘antecipar herança’
José Roberto de Toledo e Daniel Bramatti, O Estado de S. Paulo

 

Aos 7 anos de idade, completados em 2 de maio, Michel Miguel Elias Temer Lulia Filho, mais conhecido como Michelzinho, é proprietário de pelo menos dois imóveis cujos valores somados superam R$ 2 milhões. O pai, Michel Miguel Elias Temer Lulia, de 75 anos, presidente em exercício da República, passou para o nome do único herdeiro do seu casamento com Marcela Temer dois conjuntos comerciais que abrigam seu escritório político em São Paulo.

Localizados no Edifício Lugano, no Itaim-Bibi, zona sul da capital paulista, cada conjunto tem 196 m² e valor venal de R$ 1.024.802, segundo a Prefeitura de São Paulo – os dados são públicos e podem ser consultados na internet. O valor de mercado costuma ser de 20% a 40% mais alto do que o valor de referência usado pela Prefeitura para calcular o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

Mesmo assim, na declaração de bens que Temer apresentou à Justiça Eleitoral em 2014, cada conjunto é avaliado em apenas R$ 190 mil. Isso é comum nas declarações de políticos, pois os imóveis costumam ser declarados pelo valor de quando foram comprados. A legislação não obriga a atualização do valor.

Prédio onde Temer tem escritórios
Prédio na zona sul de São Paulo onde Temer tem escritórios Foto: Renato S. Cerqueira|Futura Press

Doação. A assessoria de imprensa de Temer informou que a transferência foi feita como doação, uma espécie de antecipação da herança, e que as filhas do presidente em exercício também já receberam imóveis em outros momentos. A assessoria não esclareceu quais imóveis foram doados para as filhas, nem em que data isso ocorreu.

Luciana, Maristela e Clarissa, fruto do primeiro casamento de Temer, são proprietárias de imóveis residenciais na zona oeste de São Paulo, segundo a Prefeitura. A primeira também é dona de um escritório no mesmo prédio onde ficam os imóveis transferidos para seu irmão.

Outros bens. No caso da declaração de bens de Temer apresentada quando foi candidato a vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff, a casa que possui na zona oeste de São Paulo também está subavaliada. Em 2014, o presidente em exercício declarou a residência de 415 m² no Alto de Pinheiros, comprada em 1998, por R$ 722.977,41. Na Prefeitura, o valor venal é de R$ 2.875,109. Sobre esse valor incide a cobrança de IPTU.

Se a casa e os dois conjuntos do Itaim-Bibi tivessem seu valor corrigido para pelo menos o valor venal, o patrimônio declarado de Temer aumentaria em pelo menos R$ 3,6 milhões e chegaria a um total de mais de R$ 11 milhões. Isso não inclui outra casa, de R$ 1.434.558, no bairro do Pacaembu, pela qual ele responde a uma ação por não pagamento de IPTU, e que Temer diz ter vendido.

O patrimônio do presidente interino cresceu rapidamente desde 2006. Naquele ano, Temer foi candidato a deputado federal e declarou bens no valor de R$ 2.293.645,53. Se corrigido pelo IGP-M da Fundação Getúlio Vargas, eles corresponderiam, em 2014, a R$ 3.678.526,22. Porém, seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral em 2014 já havia crescido para R$ 7.521.799,27. Ou seja, mais do que dobrou acima da inflação entre duas eleições – e isso sem levar em conta a valorização dos imóveis.

FONTE: http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,filho-de-7-anos-de-temer-tem-r-2-milhoes-em-imoveis,10000054086

Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) é denunciado na Delegacia da Mulher

Posted in Sem categoria on julho 20, 2017 by gusbrum
Patricia Lelis sofreu injúrias e ameaças pelo celular do deputado Eduardo Bolsonaro

a-militante-do-psc-patricia-lelis-fala-com-a-imprensa-ao-sair-da-procuradoria-especial-da-mulher-no-senado-federal-ela-foi-a-procuradoria-fazer-uma-representacao-contra-o-dep-marco-feliciano-1473202056003_615x300-1.jpg

Pedro Ladeira/Folhapress
Lucas Borges Teixeira /

A jornalista Patrícia Lélis registrou um boletim de ocorrência contra o suposto ex-namorado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) na última terça-feira (18). Segundo publicou em seu Instagram, ela sofreu injúrias e ameaças pelo celular do deputado federal. O caso foi registrado na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), em Brasília.

“Voltei a sofrer ataques machistas de haters, e de pessoas simpatizantes do então deputado, enfim, fascistas seguidores de Eduardo e sua turma, e como se não bastasse: Uma ameaça direta do próprio”, afirma a postagem, feita na noite de ontem, com uma foto de um boletim de ocorrência.

A polêmica começou no dia 11 de julho, quando rodou pelo Facebook o print de uma postagem que supostamente pertencia à página privada do deputado federal. No texto, ele estaria reclamando de uma ex-namorada que “é vista em balada LGBT acompanhada de médico cubano, usando uma roupa vulgar”.

 

 

Untitled.jpeg

Olá pessoas. Infelizmente ainda tenho que voltar aqui para tratar do assunto “Eduardo Bolsonaro”. Pois é, como previsto , após a polêmica do dia 11/07/17, voltei a sofrer ataques machistas de haters, e de pessoas simpatizantes do então deputado, enfim, fascistas seguidores de Eduardo e sua turma, e como se não bastasse: Uma ameaça direta do próprio. Ocorreram desde Injúrias pelas redes, ameaças e até perseguições pessoais em minha academia e local de estudo, que colocaram não só minha integridade física em risco ,mas que me levaram a sair de Brasília por uns dias. Como é peculiar aos políticos moralistas, ele tentou negar e, sair por cima ,porém, se doeu tanto, que fez um vídeo resposta! Ocorre que, se nas postagens públicas o Deputado agiu como bom moço, desdenhando e negando tudo , como de costume eles nunca se responsabilizam por nada, e muito menos assumem a culpa de algo. Porém nas mensagens privadas o comportamento foi o de sempre: Tentar abafar o caso com grosserias machistas, injúrias diversas e várias ameaças com o intuito de tentar me intimidar ou calar minha voz. Bem, eu já havia dito que sou forte, livre e que não tenho medo dele e de mais ninguém. E sim, eu vou falar ao mundo tudo que uma turma moralista é capaz de fazer as pessoas. Quando a denuncia de um abuso envolvendo um então pastor e deputado do mesmo partido veio a publico, diversas pessoas me questionaram o motivo ao qual eu não denunciei logo. Quem fala isso, não tem a noção do quanto é difícil denunciar um agressor, ainda mais se esse agressor se encontrar “protegido” por pessoas que os defendem com unhas e dentes, acreditando que realmente são donos da boa moral. Porém desta vez, resolvi agir de forma diferente, pois infelizmente já estou aprendendo como as coisas funcionam com esse tipo de pessoa. Procurei a polícia, mostrei as mensagens de ameaça que partiram do celular pessoal do Deputado Eduardo Bolsonaro, e registrei o boletim e ocorrência na Delegacia da Mulher.

FONTE: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2017/07/19/ex-namorada-denuncia-eduardo-bolsonaro-na-delegacia-da-mulher-por-ameacas.htm

Para não dizer que não saiu no O Globo.

Posted in Sem categoria on julho 18, 2017 by gusbrum

7e009435-4700-48c6-b234-e38e883d3da6.jpeg

As milionárias sonegações da Rede Globo

Posted in Sem categoria on julho 18, 2017 by gusbrum

As milionárias sonegações da Rede Globo

E a hipocrisia segue forte no Brasil.

Posted in Sem categoria on julho 16, 2017 by gusbrum

20031875_1979081195659079_8501143559699790715_n.jpg

Quanto custa um voto no Congresso?Governo Federal liberou R$ 1,7 bi a parlamentares antes da votação da denúncia contra Michel Temer

Posted in Sem categoria on julho 16, 2017 by gusbrum
Deputado Alessandro Molon vai entrar com ação no Ministério Público
Nas duas semanas que antecederam a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão e Constituição e Justiça da Câmara (CCJ), a liberação de verba para emendas parlamentares sofreu um espantoso aumento, de acordo com levantamento do deputado Alessandro Molon (Rede-RJ). Os números apontam que R$ 1,7 bilhão teria sido empenhado nos últimos 14 dias.

O levantamento mostra que, em maio, os empenhos somaram R$ 76,7 milhões. Já em junho, R$ 1,5 bilhão; chegando a R$ 1,7 bilhão nos primeiros dias de julho. A votação na CCJ aconteceu dias depois.

A evolução da liberação das verbas, de acordo com o levantamento de Molon
A evolução da liberação das verbas, de acordo com o levantamento de Molon

“Pelo aumento explosivo de recursos destinados ao pagamento de emendas parlamentares, fica evidente a tentativa do governo de garantir apoio de deputados para impedir que Temer responda por seus crimes no STF. É uma manobra ilegal e irresponsável, num momento em que faltam recursos para os serviços públicos mais essenciais. Levaremos esse absurdo ao Ministério Público para que seja devidamente investigado”, disse Molon.

Empenhos diários dos deputados, de acordo com o levantamento de Molon
Empenhos diários dos deputados, de acordo com o levantamento de Molon

Troca-troca

Além da liberação de verba aos parlamentares, o governo Temer promoveu intenso troca-troca entre os deputados, para garantir a maioria na votação. Mais de 20 deputados foram trocados, o que também gerou protestos e revolta.

>> “Meu partido vendeu a minha vaga na CCJ”, critica deputado do PR

O relator do primeiro parecer, Sérgio Zveiter (que defendia a admissibilidade da denúncia contra Temer e que acabou rejeitado) criticou a estratégia governista de trocar mais de 20 membros da comissão para garantir a maioria dos votos que possam derrubar o parecer. “A derrota que se afigura aqui é uma derrota que foi montada artificialmente. Uma derrota aqui não vai ser do parecer, vai ser a derrota do povo brasileiro que quer uma política limpa, honesta, correta, que repudia que deputados eleitos livremente pelo voto se submetam as manobras de oferecimento de emendas parlamentares e cargos”, declarou.

A denúncia

A denúncia de corrupção passiva foi elaborada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e encaminhada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) à Câmara, a qual cabe autorizar ou não se o presidente pode ser investigado pela Corte. O parecer aprovado pela comissão, contrário à admissibilidade da denúncia, vai ser votado no dia 2 de agosto, no plenário da Câmara

FONTE: http://www.jb.com.br/pais/noticias/2017/07/15/governo-liberou-r-17-bi-a-parlamentares-antes-da-votacao-da-denuncia-contra-temer/

Senador Ivo Cassol e assessores de Bolsonaro são interceptados em investigação sobre prostituição

Posted in Sem categoria on julho 15, 2017 by gusbrum

O senador Ivo Cassol (PP-RO) e assessores dos deputados Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) tiveram conversas interceptadas no âmbito de um inquérito conduzido pela Polícia Civil do Distrito Federal. A corporação apura a atuação de uma rede de prostituição que age na capital da República e no Rio Grande do Sul. Os parlamentares e seus funcionários não eram objeto da investigação, mas acabaram caindo nas escutas com autorização judicial porque mantiveram diálogos com um cafetão alvo da investida policial.

João Wilson Costa Sampaio é apontado no inquérito como um agenciador de garotas de programa que negocia encontros sexuais em Porto Alegre e em Brasília. Nos últimos meses, ele foi monitorado pela Polícia Civil do DF e os agentes descobriram que o homem oferecia como prostituta até mesmo a própria companheira, com quem tem dois filhos. Segundo as apurações policiais, ele recrutava outras mulheres e as usava para se aproximar de políticos do Congresso Nacional.

Em pelo menos uma ligação, ficou a forte impressão de que ele utiliza as garotas de programa como ‘cartão de apresentação’ para tratar de assuntos diversos com políticos.

Trecho do inquérito da 3ª DP

Um dos temas de interesse do cafetão, de acordo com o inquérito conduzido pela 3ª DP (Cruzeiro), era a regulamentação da fosfoetanolamina, popularmente conhecida como pílula do câncer.

No âmbito dessa apuração, os policiais acabaram interceptando uma conversa entre Ivo Cassol e uma das prostitutas agenciadas por Sampaio, identificada como Gabriela. Na ocasião, em 10 de maio de 2016, uma terça-feira, o cafetão estava no gabinete do senador. Às 17h34, Sampaio e a mulher se falam pelo telefone. Em determinado momento, ele passa o celular para Cassol.Pedido do senador à prostituta
Segundo o inquérito, o senador pergunta se Gabriela virá a Brasília. A mulher confirma. Cassol, então, diz que vai esperá-la e pede que a moça o visite. O parlamentar ainda pergunta “se ela virá sozinha ou com mais gente”. A moça responde que estará só. O documento policial registra que Cassol “quer conversar pessoalmente e insiste em vê-la”.

Durante o diálogo, Gabriela ainda conta que está vindo a Brasília com o objetivo de cursar uma faculdade, e o senador coloca o gabinete à disposição, para ajudá-la no que for preciso até que ela se estabeleça na cidade. Segundo o inquérito, Cassol “demonstra-se muito interessado no retorno dela ao Distrito Federal e deixa bem claro que já a conhece de outras ocasiões”.

ReproduçãoREPRODUÇÃO

 

Pílula do câncer
No período em que Sampaio foi monitorado, a Polícia Civil constatou o interesse do agenciador de garotas de programa na aprovação da pílula do câncer. Em algumas das conversas interceptadas, o cafetão entra em contato com assessores dos deputados Jair e Eduardo Bolsonaro, respectivamente pai e filho. O próprio inquérito policial ressalta que, nesses diálogos, não há “nada que indique algum ilícito”.

Em diversas ligações, ele (Sampaio) está tratando de assuntos sobre regulamentação da fosfoetanolamina com a assessoria parlamentar dos deputados federais Jair e Eduardo Bolsonaro, mas nada que indique algum ilícito nessas questões.

Trecho do inquérito da 3ª DP

Jair e Eduardo Bolsonaro estão entre os autores do projeto de lei que autorizava o uso da fosfoetanolamina sintética por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna. A produção e a comercialização da pílula do câncer chegaram a ser autorizadas em abril de 2016 — período posterior às gravações da Polícia Civil do DF —, a partir da aprovação do projeto de lei no Congresso e da sanção da então presidente Dilma Rousseff (PT).

Entretanto, a norma foi suspensa no mês seguinte por uma decisão do Superior Tribunal Federal (STF). Faltavam evidências científicas da sua eficácia. Testes clínicos foram realizados depois pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. Mas o Icesp não encontrou “benefício clínico significativo” para os pacientes e suspendeu as pesquisas em março de 2017.

Apesar da forte atuação do cafetão João Wilson Costa Sampaio na Câmara e no Senado em prol da pílula do câncer, como esse não era o objeto de apuração, a Polícia Civil não investigou a razão pela qual Sampaio fazia lobby pelo tema.

 

Outro lado
Ao Metrópoles, o senador Ivo Cassol afirmou que todas as conversas com Sampaio e Gabriela foram para discutir o projeto de lei da pílula do câncer. O parlamentar disse que desconhecia qualquer envolvimento da dupla com prostituição e exploração sexual.

Cassol explicou que a mulher com quem falou ao telefone chegou a participar de uma audiência pública para debater os efeitos da fosfoetanolamina. “A Gabriela veio para cá e eu a conheci durante essa sessão, que foi filmada. Ela tinha uma irmã de 9 anos com câncer. Nunca tive qualquer envolvimento com essa moça. Tudo foi um grande mal entendido, não sabia que supostamente se tratava de uma garota de programa”, afirmou.

Na ligação que foi gravada pela polícia, eu pedi para que Gabriela viesse a Brasília — e insisti em vê-la — pois ela tinha um vídeo da irmã, que tomava o remédio e apresentava uma melhora em seu quadro clínico. Eu enxerguei aquilo como uma prova de que o remédio poderia fazer efeito.

Ivo Cassol, senador

Sobre Sampaio, Cassol afirmou que foi procurado “duas ou três vezes” pelo cafetão, mas sempre para tratar do mesmo assunto: a aprovação da fosfoetanolamina. “Em todas as vezes que o encontrei, conversamos sobre o medicamento. Eu estranho muito essas informações que constam no inquérito porque não tenho qualquer tipo de vida noturna. Saio muito pouco em Brasília, nem para jantar”, finalizou o senador.

As assessorias dos deputados Jair e Eduardo Bolsonaro foram acionadas para comentar a relação dos parlamentares com o cafetão e lobista João Wilson Costa Sampaio, mas a reportagem não obteve resposta até a última atualização desta matéria.

 

A investigação
O trabalho da Polícia Civil que apura a conexão entre agenciadores de garotas de programa do DF e do Sul do país vem desde o início de 2016 e reúne dezenas de horas de gravações feitas com autorização judicial. Sampaio, segundo apontam os investigadores, é um dos integrantes dessa rede de prostituição.

Ainda de acordo com os policiais, o aliciamento das mulheres começa em boates e casas noturnas no interior do Rio Grande do Sul. Em geral, são cooptadas jovens em dificuldades financeiras, que faturam pouco com o mercado da prostituição.

Os agenciadores prometem passagens aéreas, hospedagem e uma carteira de clientes, tanto no Distrito Federal quanto no Rio Grande do Sul. As mulheres também ganham espaço em sites adultos, nos quais são veiculados anúncios e vídeos das prostitutas.

Veja fotos de mulheres que vêm do Sul para fazer programa no DF

Aluguel de imóveis
Para receber as garotas de programa que vêm de fora, dezenas de imóveis são alugados pelo grupo no DF. Na capital do país, as moças ficam em apartamentos espalhados por localidades como Sudoeste, asas Sul e Norte, Águas Claras e Setor Hoteleiro Norte.

Os imóveis são locados diretamente com imobiliárias, em nome de um integrante do grupo ou de terceiros, e acabam sublocados para as garotas de programa, que precisam pagar valores entre R$ 500 e R$ 900 semanais.

Além de serem obrigadas a quitar todos os débitos feitos durante a viagem e pagar pelo aluguel, algumas prostitutas foram enganadas pelos cafetões. Depoimentos prestados pelas garotas de programa à Polícia Civil do DF revelam que, após depositarem o dinheiro adiantado do aluguel, as chaves dos imóveis jamais foram entregues.

Atualmente, a equipe da 3ª DP segue em campo para identificar todos os integrantes do grupo e, assim, pedir os respectivos indiciamentos à Justiça. Não foi definido prazo para o encerramento das apurações.

O suspeito é integrante de uma rede de prostituição que atua nas áreas nobres do Distrito Federal e no Rio Grande do Sul

FONTE: http://www.metropoles.com/distrito-federal/politica-df/senador-ivo-cassol-e-interceptado-em-inquerito-sobre-prostituicao