Arquivo para outubro, 2011

Rombo de R$ 4,3 bilhões no Banco Panamericano ” por organização criminosa” liderados por Palladino

Posted in Sem categoria on outubro 29, 2011 by gusbrum

SÃO PAULO – A Polícia Federal decidiu enquadrar criminalmente o ex-diretor superintendente do Banco Panamericano, Rafael Palladino, por lavagem de dinheiro e violação a três artigos da Lei 7492/86, que define os delitos contra o sistema financeiro. A PF sustenta que Palladino é “um dos líderes da organização criminosa” que provocou rombo de R$ 4,3 bilhões na instituição.

Formalmente, a PF atribui ao ex-número 1 do banco os crimes de gestão fraudulenta de instituição financeira (reclusão de 3 anos a 12 anos) e induzir ou manter em erro sócio, investidor ou repartição pública relativamente a operação ou situação financeira sonegando-lhe informação ou prestando-a falsamente (reclusão de 2 a 6 anos).

A PF também acusa Palladino por movimentação paralela de recursos (1 a 5 anos de prisão). O inquérito sobre a trama no Panamericano mostra que Palladino estaria conduzindo um processo de lavagem de dinheiro supostamente ilícito ao constituir em nome de laranjas duas empresas, Techno Brasil Indústria e Comércio de Fios e Cabos Especiais e Techno Plast Indústria e Comércio de Produtos Injetados. “A complexa engenharia financeira montada por Rafael Palladino, com o emprego de interpostas pessoas, possibilita a lavagem dos recursos obtidos ilicitamente quando era gestor do Panamericano”, aponta a PF.

Segundo a PF, Palladino teve atuação decisiva nas operações que provocaram prejuízo total de R$ 3,6 bilhões ao Panamericano. Do montante, R$ 1,6 bilhão foram decorrentes da contabilização falsa de créditos a receber – quando, de fato, os contratos geradores dos créditos já haviam sido cedidos para outros bancos. Parcela do dano, no valor de R$ 1,7 bilhão, ocorreu pela omissão fraudulenta de passivos decorrentes da liquidação de operações. Mais R$ 500 milhões de prejuízo são relativos a fraudes na constituição do saldo para a Provisão de Devedores Duvidosos.

A PF recrimina conduta de Palladino que “mantém o monitoramento do que acontece no banco até hoje e se reúne, ou tenta se reunir, com ex-funcionários, visando influir indevidamente em eventuais depoimentos, dentre outras práticas ilegais”.

Uma ex-funcionária do departamento de contas a pagar do banco, Carla de Lucca Lutfi Meirelles, declarou que no mesmo dia em que se desligou da instituição, 1.º de junho último, recebeu telefonema de Palladino convidando-a para visitar sua empresa. Ela disse que “ficou espantada com a ligação”.

Cacciola

A PF imputa a Palladino “vida paralela” no exterior. “Possui cidadania e passaporte italiano, viaja frequentemente para os Estados Unidos e há indícios de que ele possui amplo patrimônio naquele País não declarado à Receita brasileira, ao que tudo indica obtido com recursos ilícitos, oriundos da gestão fraudulenta do Panamericano”.

A PF compara Palladino ao banqueiro do escândalo Marka ao alertar sobre risco de fuga. “Além de obter elevados recursos financeiros e bens fora do País, motivo pelo qual se acredita que ele pode viajar para o exterior a qualquer momento, em especial para a Itália, de onde não pode ser extraditado de volta ao Brasil, assim como ocorreu com o famoso banqueiro Salvatore Cacciola”.

A PF captou e-mail de Palladino a um advogado, a quem oferece seu apartamento em Miami. “Fica em Aventura, a 20 minutos do aeroporto, e você não precisa nem alugar carro pois eu tenho um Jaguar lindo parado que também se não usar vai estragando e uma adega pequena, mas com bons vinhos”, escreveu Palladino. “Quanto ao lugar eu acho muito legal para andar, passear. Pena que se você ficasse mais tempo poderia visitar Key West que, apesar de ter uma bicharada danada, é muito bacana e simpática.”

A advogada Elizabeth Queijo, que defende Palladino, repudia o indiciamento porque o considera “indevido”. Ela disse que formalmente ainda não tomou ciência do ato. “O indiciamento não deveria ocorrer”, protesta Elizabeth. “O que chama a atenção é que Rafael nunca foi chamado a prestar esclarecimentos no inquérito, nunca foi convocado. O indiciamento é medida precipitada sem nem saber o que ele (Palladino) tem a dizer.”

http://economia.estadao.com.br/noticias/negocos%20setor-fnancero,policia-federal-decide-indiciar-rafael-palladino,90241,0.htm

Anúncios

A Ponte Rio Negro em Manus custou R$ 1,099 bilhão, mais que o dobro que o previsto.

Posted in Sem categoria on outubro 25, 2011 by gusbrum

A Ponte Rio Negro custou R$ 1,099 bilhão, mais que o dobro que o previsto. Foi construída em três anos e meio. É a maior ponte estaiada do País (com 400 metros de trecho suspenso por cabos) e a segunda maior do mundo, atrás da ponte sobre o rio Orinoco, na Venezuela. São 3,5 quilômetros separando Manaus do município de Iranduba, dando acesso a outras quatro cidades. O trajeto que um carro deve fazer em minutos era feito em 2 horas em balsas.

 

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2011/10/noticias/minuto_a_minuto/nacional/1002687-em-manaus-dilma-promete-prorrogar-zona-franca.html

R$ 1,3 milhão em contas de fantasmas pelo Ministerio dos Esportes

Posted in Sem categoria on outubro 24, 2011 by gusbrum

BRASÍLIA – Dezenas de cheques de um convênio do Ministério do Esporte mostram que o descontrole no uso do dinheiro público não atinge só o programa Segundo Tempo. Pelo menos R$ 1,3 milhão do ministério foi parar no ano passado na conta de empresas fantasmas ou sem relação com o produto vendido para o programa Pintando a Cidadania.

Fachada. Guerreiros teria vendido cadarços e agulhas - Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE
Fachada. Guerreiros teria vendido cadarços e agulhas

Há cheques, por exemplo, de R$ 364 mil, R$ 311 mil, R$ 213 mil, R$ 178 mil, R$ 166 mil e R$ 58 mil. O dono de uma empresa destinatária dos cheques disse ao Estado que desconhece o que foi vendido, alegando ter “arranjado” a nota fiscal para um amigo receber dinheiro do ministério.

No dia 31 de dezembro de 2009, o secretário de Esporte Educacional, Wadson Ribeiro, assinou convênio de R$ 2 milhões com o Instituto Pró-Ação, com sede em Brasília. Ex-presidente da UNE e filiado ao PC do B, Wadson é homem de confiança do ministro Orlando Silva e assinou, nos últimos anos, boa parte dos convênios sob suspeita. Segundo o Portal da Transparência, o convênio com a Pró-Ação foi encerrado em abril deste ano e está em fase de prestação de contas.

O Pintando a Cidadania atua em parceria com outros projetos do ministério. para “fomentar a prática do esporte por meio de distribuição gratuita de material esportivo e promover a inclusão social de pessoas de comunidades reconhecidamente carentes”.

O contrato com o Pró-Ação menciona uma conta corrente em nome do convênio. No dia 26 de abril de 2010, o instituto repassou um cheque dessa conta no valor de R$ 311.346,05 para a empresa Automatec Tecnologia e Serviços, registrada na cidade de Valparaíso de Goiás como uma loja de motos, a “Oliveira Motos”. Segundo a nota fiscal emitida, o dinheiro do Esporte pagou “tecidos, algodão e tinta”. Em entrevista ao Estado, Marcos Oliveira, dono da Automatec, disse desconhecer o Pró-Ação: “Não conheço a ONG. Eu arranjei o nome da empresa para um amigo, a gente joga bola junto”.

Seu amigo é Edinaldo Moraes, dono da Contemporânea Comércio e Serviços, que também está na prestação de contas da ONG. Cinco cheques do convênio foram parar na conta dessa empresa. No mesmo dia 26 de abril de 2010, quando a loja de motos Automatec levou R$ 311 mil, um cheque de R$ 364 mil foi depositado em nome da Contemporânea. A empresa recebeu ao todo R$ 817 mil para supostamente vender fios de costura, agulhas e tecidos. No dia 20 de setembro de 2010, auge da campanha eleitoral, a ONG repassou R$ 213 mil para a Contemporânea.

Na época da “venda”, a empresa era registrada numa sala em um sobrado em Valparaíso. Hoje, nada funciona naquele endereço. “A empresa não está mais funcionando. Faz tempo que não temos atividade”, disse Edinaldo. Ele afirmou que fez a intermediação da venda com fornecedores indicados pela ONG. O convênio do Esporte com essas entidades permite que elas escolham seus subcontratados e, respectivamente, o destino dos recursos públicos repassados.

O

utra empresa usada no esquema foi a Guerreiros Comércio e Serviços, que não existe no endereço registrado em Cidade Ocidental (GO). Em 21 de maio do ano passado, a Guerreiros recebeu um cheque de R$ 178.187,50 para vender 2,2 mil cadarços, 20 unidades de tecidos e 1.273 agulhas. “Se a gente fosse colocar tudo numa empresa só o custo tributário seria muito alto. Então a gente dividiu e colocou em diversas empresas”, afirmou Edinaldo.

Na edição desta semana, a revista Época levanta suspeitas sobre a atuação “familiar” do Instituto Pró-Ação, dirigido por Zilmar Moreira da Silva. Além das empresas fantasmas, a ONG ainda repassou recursos para uma cooperativa dirigida pela mulher de Zilmar. O instituto fechou também convênio de R$ 6,5 milhões com o Esporte no programa Segundo Tempo.

 

Leandro Cólon – O Estado de S.Paulo

 

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,outro-programa-do-esporte-depositou-r-13-milhao-em-contas-de-fantasmas,789517,0.htm?p=2

Prefeitura de Dourados, MS terá que explicar onde foram ‘parar’ R$ 1,8 milhão

Posted in Sem categoria on outubro 13, 2011 by gusbrum

A Prefeitura de Dourados terá de esclarecer ao Ministério Público Federal (MPF) onde foi investida a quantia de R$ 1,8 milhão repassada para o município ao longo de aproximadamente três anos.

Como o recurso é destinado à saúde indígena, o MPF quer saber porque postos de saúde das aldeias Bororó e Jaguapiru estão em situação degradante. Em vistorias realizadas no mês passado e no início deste mês, foram encontrados problemas nas unidades Zelik Trajber e Ireno Isnardi, na Aldeia Bororó, e Guateca e Jaguapiru II, na Aldeia Jaguapiru.

Três dos postos foram construídos abaixo do nível da rua, em terrenos com caída para o fundo e, quando chove, a enxurrada invade os prédios, trazendo lama. Lixo hospitalar foi encontrado em banheiros, além de arquivos enferrujados, cadeiras rasgadas, portas sem maçanetas, janelas quebradas, salas de atendimento abarrotadas de caixas e com fios elétricos à mostra, teto mofado, portas fechadas com pedaços de madeira e uma fossa destampada.

O MPF constatou ainda a falta de geladeira para acondicionamento de vacinas, de armários para guardar material de limpeza e estantes para os medicamentos em estoque. Também falta um filtro de água para a equipe ou os pacientes atendidos.

Em dois dos postos vistoriados o funcionamento é somente até as 10h30min Um dos postos foi interditado pela Vigilância Sanitária em maio, por falta de limpeza da caixa d’água.

A Prefeitura de Dourados tem 48 horas, a partir do recebimento do pedido de informações, para se manifestar.

(Com informações da Procuradoria da República em Mato Grosso do Sul)

 

Postos de Saúde de Aldeias

R$ 1 bilhão desviados dos cofres públicos no Amapá

Posted in Sem categoria on outubro 9, 2011 by gusbrum

Com o TCE se eximindo das suas tarefas, deputados da Assembleia e funcionários do governo estadual e da Prefeitura de Macapá puderam agir sem freios. O inquérito calcula que o total de desvios entre os deputados estaduais chegou a R$ 300 milhões. Parlamentares abusaram do uso de verbas indenizatórias, de gastos com passagens e diárias, justificadas por meio de prestação de contas irregulares.

Só uma agência de viagens, a Martinica, cujo diretor fora sócio do presidente da Assembleia da época, Jorge Amanajás, recebeu mais de R$ 28 milhões em verbas de passagens da Casa.

Lavagem. Mais R$ 400 milhões foram desviados em contratos supostamente fraudulentos feitos pelo Estado e pela prefeitura. Segundo a PF, uma empresa de ônibus municipal, a Marco Zero, foi criada para lavar dinheiro dos desvios. Em um dos contratos irregulares investigados – com as empresas de segurança privada Serpol e Amapá Vip, que prestavam serviços para a Secretaria Estadual de Educação -, foram desviados perto de R$ 70 milhões em seis anos. As irregularidades afetaram compras de remédios, consertos de equipamentos hospitalares, verbas para programas sociais, reformas em escolas, aluguel de veículos e compra de combustível.

As consequências são vistas por todo o Estado, repleto de esqueletos de obras paralisadas por causa das irregularidades contratuais e com serviços deficientes na educação e na saúde. É exemplar o caso do Hospital Metropolitano, em Macapá, obra parada pela Justiça desde 2004, em um Estado que sofre com déficit de leitos.

Planejamento. Para evitar vazamentos e conseguir prender políticos graúdos no Amapá, a deflagração da Operação Mãos Limpas, ocorrida em setembro do ano passado, precisou alugar um navio com capacidade para 700 policiais federais, que viajaram 22 horas pelo Rio Amazonas até desembarcar em Belém, numa espécie de Dia D.

As tábuas de maré do Amazonas, que quando secam dificultam o trânsito de navios em Macapá, foram exaustivamente estudadas para evitar o encalhe.

 

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,fraudes-no-amapa-ja-desviaram-pelo-menos-r-1-bilhao-dos-cofres-publicos,782906,0.htm?p=2