Arquivo para novembro, 2011

Perdas apuradas ou estimadas em fraudes e corrupção desde 17/10/07

Posted in Sem categoria on novembro 30, 2011 by gusbrum

Perdas apuradas ou estimadas em fraudes e corrupção desde 17/10/07

TOTAL (R$)…………………………………………………….21.539.100.000

Operação Avalanche (OG11/10/08)……………………………………???
Operação Resplendor (OG 26/09/08) ………………………10.000.000
Propinoduto (OG 19/09/08 e Folha 23/04/03)………….200.000.000
Romênio Pereira (PT) (OG 24/08/08) …………………….700.000.000
Operação Tarja Preta (OG 22/08/08) ………………………17.000.000
Extorsão e desvios no INSS (OG 09/08/08)…………..1.000.000.000
Contrato Carapebus e Campos (OG 08/08/08)………….11.500.000
Governo Garotino e ONGs (OG 18/07/08)………………700.000.000
Operação Chacal (OG 16/07/08) …………………………..550.000.000 (?)
Operação Satiagraha (OG 10/07/08)………………………………….???
Operação Vorax 2 (OG 09/07/08)……………………………55.000.000
Fraudes TJ Maranhão (OG 28/06/08)………………………90.500.000
Operação Quixadá (OG 25/06/08)……………………………………..???
Desvio de Remédio do IASERJ (OG 24/06/08) …………..2.000.000
Fraude contra a Previdência (OG 24/06/08)……………..11.000.000 (pode chegar a 30.000.000)
Operação Influenza (OG 21/06/08)…………………………………….???
Sonegadores do INSS (OG 21/06/08) …………………6.000.000.000
Operação João de Barro (OG21/06/08)………………….700.000.000
Operação Hígia (OG 14/06/08)……………………………….36.000.000
Operação Cana Brava (OG 13/06/08)………………….2.000.000.000
Fraude Fisco (OG 07/06/08) ………………………………1.000.000.000
Vereadores de Campos (OG 31/05/08)…………………….15.000.000
Fraudes na Editora UnB (OG 30/05/08)……………………93.500.000
Fraudes ONG Agora (OG27/05/08)……………………………7.500.000
Operação Vorax (OG OL 20/05/08) – Reavaliada e contabilizada na Op. Vorax 2.
Superfaturamento na FAETC (OG 16/05/08)………………2.000.000
Zeca do PT (OG 14/05/08) …………………………………….30.000.000
Operação Navalha – nova denúncia (OG 14/05/08)…..300.000.000
Fraudes na extinta SUDAM (OG 14/05/08)………………..18.000.000
Repasse do BNDS a ONGs Paulinho (OG/09/05/08)…….7.200.000
CPI dos Cartões Corporativos (OG 01/05/08)…………..651.000.000
Operação Auxílio Sufrágio (OG 25/04/08)…………………..5.000.000
Operação Santa Teresa BNDES (OG 25/04/08)……….424.000.000
Fraude Bolsa-Educação Alerj (OG 24/04/08)………………3.100.000
Operação Titanic (OG 09/04/08)……………………………….7.000.000
Operação Pasárgada (OG 10/04/08) ……………………..200.000.000
Operação Bengala (OG 26/03/08) ……………………………………..???
Operação Ancião (OG 26/03/08) ………………………………1.000.000
Operação Rio Branco (OGLOBO 20/03/07) ……………..20.000.000
Operação Fariseu (OG 14/03/08)………………………………………???
Operação Telhado de Vidro (OG12/03/08)……………..240.000.000
Fraude Fantasmas da Alerj (OG 10/03/08)…………………2.000.000
Operação Hurricane (OG 04/03/08)……………………….217.000.000
Operação Kabuf (OG 22/02/08)………………………………..6.000.000
Operação Flagelo (OG 14/02/08) ……………………………10.000.000
Falcatrua de deputados em Alagoas (OG 13/02/08)…200.000.000
Operação Uniforme Fantasma (OG 26/01/08) …………100.000.000
Operação Hemostasia (OG 26/01/08) ……………………..10.000.000
Distribuidoras Beamar e Itumar (OG 21/01/08) …………42.000.000
Operação Navalha(OG 05/01/08).Ver (14/05/08)…………………???
Escândalo do “Propinoduto”(OG 11/12/07)………………53.000.000
Esquema Romero e Tereza Juca (OG 07/12/07)……….29.000.000
Esquema ONGs – Garotinho (07/12/07) …………………453.000.000
Operação Jaleco Branco……………………………………1.000.000.000
Operação Taturana (06/07/07)……………………………..200.000.000
Operação Fantasma……………………………………………….3.000.000
Operação Propina S.A. …………………………………….1.000.000.000
Walfrido dos Mares Guia (OG 25/11/07)…………………….4.500.000
Operação Carranca (13/11/07)……………………………….20.000.000
Operação Kaspar II (FO 06/11/07) ……………………..1.000.000.000
Operação Rodin – Detran RS (AE 06/11/07)……………..40.000.000
Fraude contra o sistema financeiro (OG 02/11/07)…….40.000.000
Operação Tucumã (OG 01/11/07) ………………………….10.000.000
Operação Metástase – Funasa (OG 26/10/07) …………34.000.000
Operação Carta Marcada (OG 24/10/07)…………………80.000.000
CPI do Apagão – Infraero (OG 22/10/07)………………..470.000.000
Fraude Cisco (OG 17/10/07) estimado………………..1.500.000.000

Anúncios

Operação Parceria: R$ 300 milhões em verbas federais foram desviados por entidade com sede no Paraná

Posted in Sem categoria on novembro 30, 2011 by gusbrum

Uma operação da Polícia Federal realizada nesta terça-feira (11) em cinco estados terminou na prisão de 11 pessoas acusadas de envolvimento em um esquema milionário de desvio de recursos federais a partir do Centro Integrado de Apoio Profissional (Ciap), Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) com sede em Londrina, no Norte do Paraná. Suspeita-se que cerca de R$ 300 milhões foram desviados nos últimos cinco anos – R$ 10 milhões somente em Londrina, onde seis foram presos. No mesmo período, a entidade teria faturado R$ 1 bilhão.

Segundo o coordenador de comunicação da PF no Paraná, Marcos Koren, entre os detidos está o proprietário do CIAP,Dinocarme Aparecido Lima. Outras prisões ocorreram em Curitiba (4) e Apucarana (1). Três pessoas estão foragidas. A ação, batizada de Operação Parceria (em referência ao instrumento jurídico firmado entre a organização e os entes púbicos), também foi realizada em São Paulo, Goiás, Maranhão e Pará.

Atuação do Ciap

Na página da internet, um vídeo mostra todas as atividades desenvolvidas pelo Centro Integrado de Apoio Profissional (Ciap) no Brasil. Em Londrina, a entidade gerenciava a contratação de funcionários para a Policlínica, Samu, agentes de endemias, Programa Saúde da Família (PSF) e PSF Indígena e Sistema de Internação Domiciliar. No Paraná, o grupo atuava em Ibiporã, Guaratuba e Colombo.

O Ciap também tem forte atuação no estado de São Paulo, principalmente, no gerenciamento de serviços ligados à saúde pública. A entidade atua em cidades como São Paulo, Caçapava, Matão, Sertãozinho, Ourinhos e Pirajuí.

O grupo também mantém contratos com governos do Mato Grosso e Maranhão. Nestes dois estados, o Ciap gerencia a contratação de servidores para o Detran.

TV Coroados

http://www.jornaldelondrina.com.br/editoria/playergazetanovainterna.swfQuadrilha agia a partir de uma instituição de ensino de Londrina

Os policiais cumpriram 40 mandados de busca e apreensão e 11 mandados de prisão temporária, expedidos pela 2ª Vara Federal Criminal de Curitiba. As investigações e as prisões são feitas em parceria com a Controladoria Geral da União (CGU), o Ministério Público Federal e a Receita Federal.

A polícia diz que, para desviar os recursos para pessoas e empresas do grupo, o Ciap valia-se da condição de Oscip, modalidade jurídica para associações civis estabelecerem contratos com o poder público, conhecidos como “termos de parceria”. Segundo as investigações, o Ciap se tornou uma Oscip com o propósito único de se apropriar ilegalmente de verbas recebidas por meio das parcerias com as administrações públicas.

O esquema

De acordo com a Receita Federal, aproximadamente 30% dos recursos recebidos pelo Ciap eram transferidos para uma conta bancária específica da entidade, sob a justificativa de cobrir despesas administrativas. A polícia calcula que a entidade tenha recebido mais de R$ 1 bilhão em verbas em cinco anos. Desta conta, ainda conforme a Receita, a organização fazia retirada de grandes volumes, sempre em dinheiro em espécie e sem identificação, alegando se tratar de pagamento para empresas fornecedoras. Contudo, as investigações apontaram que as empresas pertenciam a parentes ou pessoas de confiança dos responsáveis pelo CIAP.

Koren explicou que a estrutura da organização seguia os seguintes passos: primeiro, ela identificava municípios e estados com recursos disponíveis para a celebração de parcerias e convênios; em seguida, o CIAP atuava com lobistas para favorecer o direcionamento dos recursos para a entidade com a assinatura dos contratos; para finalizar, a organização manipulava a contabilidade do CIAP e a prestação de contas das parcerias para dificultar o rastreamento dos valores desviados. “Eles montaram um aparente atendimento de ordem social para captar recursos públicos e, posteriormente, desviar essas verbas. O grupo também construiu uma teia de relacionamentos e influência dentro do poder público para conquistar os contratos”, explicou Koren.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ciap, que ficou de retornar a ligação.

Londrina e o CIAP

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Londrina informou que há quatro contratos entre o município e o CIAP. Os valores somam R$ 47,6 milhões e todos os convênios são para a contratação de prestadores de serviço na área da saúde. O contrato mais antigo foi assinado em novembro de 2007, referente à contratação de pessoal e manutenção das ambulâncias do Samu. A vigência é de três anos, encerrando-se em novembro deste ano, com valor de R$ 7,5 milhões.

O maior contrato do CIAP com o Município é para o Programa Saúde da Família (PSF). O acordo, assinado em setembro de 2009, tem validade até março de 2011 e o valor é de R$ 33,216 milhões. Trabalham no PSF 600 funcionários.

http://www.jornaldelondrina.com.br/online/conteudo.phtml?tl=1&id=1001634&tit=Entidade-com-sede-no-Parana-e-acusada-de-desviar-R-300-milhoes-em-verbas-federais

35 milhões em Fraudes descobertos pela operação Sinal fechado no RN

Posted in Sem categoria on novembro 28, 2011 by gusbrum
Após nove meses de investigações, o Ministério Público Estadual do Rio Grande do Norte (MPRN) iniciou na manhã desta quinta-feira (24), uma operação acerca do contrato da inspeção veicular ambiental no Rio Grande do Norte. Denominada Operação “Sinal Fechado”, a ção contou com apoio da Polícia Militar e tinha como objetivo cumprir 14 mandados de prisão e 25 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Juízo de Direito da 6.ª Vara Criminal da Comarca de Natal/RN, que também determinou o sequestro de bens de diversos investigados.
A operação contou com o apoio dos Ministérios Públicos dos Estados de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul, com diligências simultâneas nas cidades de Natal e Parnamirim (RN), São Paulo (SP), Curitiba (PR) e Porto Alegre(RS), mobilizando 40 Promotores de Justiça e mais de 250 policiais, que cumpriram as ordens judiciais.

A investigação foi desenvolvida pela Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público da Comarca de Natal, e contou com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/RN), descortinou uma organização criminosa que atuou no âmbito do Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN/RN), com ramificações em outros Estados da Federação, no período de 2008 a 2010. O objeto inicial da apuração foi o contrato da inspeção veicular ambiental no RN.

Descobriu-se que, de fato, a quadrilha fraudou desde o processo de elaboração da lei, em meados de 2009, até o processo licitatório, em 2010, chegando ao ponto de determinar o modelo de prestação do serviço — por meio de concessão —, o que permitiria a obtenção de elevados lucros com o contrato, em detrimento do erário e dos cidadãos potiguares.

A fraude à licitação foi tamanha que a organização chegou a elaborar o próprio edital de licitação, direcionando-o para o Consórcio INSPAR, além de elaborar os seus anexos e as respostas às impugnações de empresas concorrentes a este edital, garantido, assim, a vitória do referido consórcio. Com a fraude referente a inspeção veicular, a quadrilha teria um faturamento bruto no montante de R$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de reais), no prazo da concessão (vinte anos).

Revelou-se que, em verdade, o esquema criminoso instalado no DETRAN/RN envolveu outras fraudes, como a celebração viciada de convênio com o Instituto de Registradores de Títulos e Documentos de Pessoas Jurídicas do RN – IRTDPJ/RN em meados de maio de 2008, e, em seguida, em meados de dezembro de 2010, a contratação emergencial fraudulenta da empresa PLANET BUSINESS LTDA, para o registro dos contratos de financiamento de veículos no Estado do RN.

A investigação identificou, ainda, que o líder da referida quadrilha é GEORGE ANDERSON OLÍMPIO DA SILVEIRA, contando com a participação dos ex-Governadores WILMA MARIA DE FARIA e IBERÊ PAIVA FERREIRA DE SOUZA nestas fraudes, bem como do então Diretor-Geral do DETRAN/RN, CARLOS THEODORICO DE CARVALHO BEZERRA.

Descortinou-se, noutro quadrante, que a organização criminosa comandada por GEORGE OLÍMPIO (empresário, advogado e “lobista”) teria feito pagamento de vantagem indevida (propina) às pessoas de IBERÊ PAIVA FERREIRA DE SOUZA (ex-Governador do RN), JOÃO FAUSTINO FERREIRA NETO (ex-Deputado Federal e Suplente de Senador da República), LAURO MAIA (advogado e filho da ex-Governador WILMA MARIA DE FARIA) e MARCUS VINICIUS FURTADO DA CUNHA, Procurador-Geral do DETRAN/RN à época dos fatos.

As provas produzidas na investigação revelaram, conforme retratado na petição de busca e apreensão, a participação das pessoas de ALCIDES FERNANDES BARBOSA (“lobista” paulista), CARLOS ALBERTO ZAFRED MARCELINO (empresário paulista, sócio da NEEL BRASIL TECNOLOGIA LTDA), MARCO AURÉLIO DONINELLI FERNANDES (empresário gaúcho), JOSÉ GILMAR DE CARVALHO LOPES (GILMAR DA MONTANA, empresário potiguar sócio da MONTANA CONSTRUÇÕES), EDSON CÉZAR CAVALCANTE SILVA (empresário potiguar, sócio da INSPETRANS), EDUARDO DE OLIVEIRA PATRÍCIO (empresário potiguar), CAIO BIAGIO ZULIANI (advogado e sócio de GEORGE OLÍMPIO), JAILSON HERIKSON COSTA DA SILVA (engenheiro e sócio de GEORGE OLÍMPIO), FABIANO LINDEMBERG SANTOS ROMEIRO (contador e operador financeiro da organização criminosa), MARCUS VINICIUS SALDANHA PROCÓPIO (empresário potiguar), JEAN QUEIROZ DE BRITO (empresário potiguar), NILTON JOSÉ DE MEIRA (empresário paranaense), FLÁVIO Ganem Rillo (empresário paranaense), LUIZ ANTÔNIO TAVOLARO (advogado paulista, atual Procurador-Geral do Município de São José do Rio Preto/SP), MARLUCE OLÍMPIO FREIRE (tia de GEORGE OLÍMPIO, Presidente do IRTDPJ/RN) e LUIZ CLÁUDIO MORAIS CORREIA VIANA (sócio de GEORGE OLÍMPIO), nas fraudes em questão, entre outros.

A organização criminosa em comento, conforme apurado, fez investidas em diversos Estados da Federação, havendo provas e/ou indícios de que houve oferecimento de vantagem indevida a agentes públicos, ou de que, simplesmente, se obteve contratações com vícios semelhantes em Estados como, por exemplo, Paraíba, Minas Gerais e Alagoas.

O Ministério Público requereu o sequestro de bens no montante de R$ 35.000.000,00 (trinta e cinco milhões de reais), valor estimado da fraude relativa ao registro de contratos de financiamento de veículos.

Após o cumprimento das mencionadas ordens judiciais, o Ministério Público analisará os documentos apreendidos e, em tempo hábil, oferecerá denúncia acerca dos fatos delituosos investigados.

Fonte: DNonline
 http://goianinha190.blogspot.com/2011/11/operacao-sinal-fechado-esquema-de.html

Totalizam R$ 13 milhões os convênios do Ministerio do Trabalho com ONG suspeita

Posted in Sem categoria on novembro 25, 2011 by gusbrum

Com foco de atuação na formação profissional do jovem, a Fundação Pró-Cerrado foi beneficiada com R$ 13,98 milhões em oito convênios assinados desde 2008 com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Dados do Portal da Transparência do governo federal revelam que a organização não governamental (ONG), criada em 1994 em Goiânia, já recebeu a maior parte do dinheiro. Os últimos desembolsos somaram quase R$ 5 milhões.

Os volumes mais expressivos de pagamentos foram feitos no primeiro semestre deste ano, quando a fundação já era apontada como uma ONG com suspeitas de irregularidades. No fim de março, a Pró-Cerrado chegou a receber de uma só vez R$ 1,14 milhão para desenvolver programa de qualificação profissional de 4.626 trabalhadores nos Estados de Goiás, Pernambuco e Paraná. Esse convênio prevê um desembolso total de R$ 3,8 milhões, com um custo de R$ 828,39 por trabalhador.

O último pagamento foi feito há pouco mais de um mês, no início de outubro, quando foram liberados R$ 450 mil para um convênio de qualificação de 2.020 profissionais, com curso de formação de carpinteiro, pedreiro e encarregado de obras civis na região do município de Ipojuca, em Pernambuco. Nesse convênio, cada curso vai custar R$ 743,00 por trabalhador. Em outro convênio, a Pró-Cerrado recebeu R$ 1,88 milhão para treinar 2.505 profissionais afrodescendentes. Custo por trabalhador: R$ 750,50.

ADRIANA FERNANDES – Agência Estado

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,ong-suspeita-fez-r-13-mi-em-convenios-com-mte,797928,0.htm

R$ 26,5 bilhões enviados pela União a ONGs estão “desaparecidos”.

Posted in Sem categoria on novembro 25, 2011 by gusbrum

Informações sobre a destinação de R$ 26,5 bilhões do Tesouro, transferidos para organizações não governamentais (ONGs) e entidades entre setembro de 2008 e junho de 2011, não constam do banco de dados do Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (Siconv), do Ministério do Planejamento. A revelação foi feita durante debates da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla), em Bento Gonçalves (RS).

A ONG Instituto Contato, de Florianópolis, é acusada de uma série de irregularidades - JF Diorio/AE-10/2/2011
JF Diorio/AE-10/2/2011
A ONG Instituto Contato, de Florianópolis, é acusada de uma série de irregularidades

O montante à margem do cadastro do Siconv representa 54% do total repassado por ministérios e outros entes do governo federal a título de transferências voluntárias. Do total, R$ 20 bilhões foram para convênios e R$ 6,5 bilhões para termos de parcerias e contratos de repasse. A exclusão dessas informações emperra a malha fina sobre convênios e licitações.

Essa situação foi comunicada à Enccla pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, do Planejamento. “Apesar da obrigatoriedade do seu emprego e dos esforços dos gestores do Siconv em exigir dos órgãos concedentes o seu uso, ainda não há plena adesão ao sistema, o que dificulta o trabalho dos órgãos de fiscalização e controle”, alerta documento submetido às discussões fechadas da Enccla.

O Siconv foi concebido a partir de proposição do Tribunal de Contas da União, em novembro de 2006, para ampliar a transparência do gasto público federal realizado mediante a liberação de verbas a outros órgãos e entidades, entes federados e entidades do setor privado.

A meta primordial era superar as limitações verificadas no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), onde a execução financeira e orçamentária das transferências voluntárias alcança apenas as transações realizadas pelo concedente, “inexistindo informação quanto à execução do gasto no âmbito dos convenentes”.

Todo o processo de execução de transferências voluntárias deveria ser registrado no sistema, em tempo muito próximo ao da realização dos atos. A Polícia Federal tem interesse direto nesses dados, tanto que faz parte do grupo que discute o aperfeiçoamento do Siconv.

Desde setembro de 2008 existe a obrigatoriedade de registro de todos os atos de celebração, liberação de recursos, acompanhamento da execução e prestação de contas de convênios, contratos de repasse e termos de parceria. Nesse sentido, a Comissão Gestora do Siconv expediu uma diretriz, em maio de 2010, alertando os gestores dos órgãos concedentes sobre a obrigatoriedade de utilização do sistema e do registro das informações referentes às licitações e aos contratos administrativos celebrados no prazo de 20 dias após a realização dos procedimentos.

Segundo a Enccla, para atender aos seus pressupostos – fortalecimento da gestão e aumento da transparência do gasto público -, o Siconv deve incorporar todas as transferências voluntárias de todos os órgãos da administração pública federal.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) impõe aos órgãos e entidades integrantes do orçamento fiscal: “Deverão disponibilizar ao Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (Siasg) e ao Siconv, no que couber, informações referentes aos contratos e aos convênios com instrumentos congêneres firmados com a identificação das respectivas categorias de programação e fontes de recursos quando se tratar de convênios”.

Dificuldade. O estatístico Clesito Fechini, assessor da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, do Planejamento, diz acreditar que não existe resistência das outras pastas em transmitir os dados. “É dificuldade operacional. Dificuldade de compatibilizar os layouts, de os órgãos efetivamente integrarem o sistema. Inserir quase 30 mil convênios de uma hora para outra, não estamos falando de 400 convênios. É muito difícil.”

Ele observa, porém, que a LDO determina aos órgãos que encontram dificuldades de manter seu próprio sistema que enviem os dados ao Planejamento. “O sistema funciona efetivamente há três anos. É para todo mundo ver, em linguagem cidadã, as informações sobre os convênios. Com isso ganhamos a melhoria de gestão, daí o interesse da Secretaria de Logística em cumprir as sugestões da Enccla.”

Para a Polícia Federal a inclusão de todos os dados relativos às transferências voluntárias repercute na maior celeridade de suas investigações.

Josélio Azevedo de Sousa, delegado federal que cuida dos inquéritos sobre desvios de recursos públicos, destaca que a PF até pode obter os dados de que precisa para construir provas, mas teria de expedir ofícios, promover missões externas e até mesmo requerer a quebra de sigilo bancário de seus alvos, o que demandaria tempo. “Com a disponibilização das informações no Siconv e o acesso pela internet ganhamos economia operacional de meios e de tempo”, diz. “A recomendação legal já existe, o que a Enccla quer é a transparência da gestão dos recursos públicos”, afirma Fechini.

 

Fausto Macedo, enviado especial de O Estado de S.Paulo

 

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,uniao-ignora-r-265-bi-enviados-a-ongs,802610,0.htm?p=3

Prejuízo de R$ 3 milhões ao INSS.Suspeitos usavam nomes de mortos em acidentes aéreos em golpe..

Posted in Sem categoria on novembro 25, 2011 by gusbrum

A Polícia Federal, o Ministério Público Federal e o Ministério da Previdência Social, realizam ação para combater fraudes no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), desde o início da manhã desta quinta-feira (24). As operações Miragem e Caixa Preta acontecem em diversos pontos do estado do Rio de Janeiro.

Os policiais tentam cumprir 17 mandados de prisão preventiva e 28 mandados de busca e apreensão. Entre os suspeitos estão cinco servidores do INSS.

Segundo a PF, os agentes buscam suspeitos de integrar uma organização criminosa que falsificava documentos públicos e inseria dados falsos nos sistemas da Previdência Social, com o objetivo de requerer e sacar benefícios previdenciários.

Fraudes envolviam vítimas de acidentes aéreos
Ainda de acordo com a polícia, os suspeitos usavam os dados de vítimas de grandes desastres aéreos do país, forjando falsas relações de parentesco e dependência econômica para subsidiar a concessão irregular de pensões por morte.

As investigações começaram há um ano para apurar a ilegalidade no requerimento e no saque de benefícios previdenciários e assistenciais por despachantes e servidores autárquicos que inseriam informações fictícias nos sistemas previdenciários e falsificavam documentos públicos, com o intuito de obter concessão de benefícios da prestação continuada, pensões por morte e aposentadorias irregulares.

Prejuízo de R$ 3 milhões
Segundo a Polícia Federal, inicialmente foram identificados cerca de 160 benefícios fraudulentos ou com indícios de irregularidade. A PF estima que o prejuízo aos cofres públicos chegue a R$ 3 milhões.

Ainda segundo a polícia, os investigados responderão por estelionato, inserção de dados falsos em sistemas de informação, falsidade ideológica, falsificação de documento público, advocacia administrativa e formação de quadrilha, de acordo com o envolvimento no esquema das fraudes.

Cerca de 160 policiais e técnicos da Previdência Social participam da operação.

 

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2011/11/policia-federal-faz-operacao-no-rj-contra-fraudes-no-inss.html

Podem ultrapassar os R$ 20 milhões a lavagem de dinheiro em Limeira, SP

Posted in Sem categoria on novembro 24, 2011 by gusbrum

A mulher do prefeito de Limeira, no interior de São Paulo, foi presa na madrugada desta quinta-feira, 24, durante operação do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado, de acordo com o MP.

Além de Constância Félix, segundo o site EPTV, outras 11 pessoas também foram detidas. Ela é investigada pelo MP por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, sonegação fiscal, furto qualificado e falsidade ideológica. Os valores da lavagem de dinheiro podem ultrapassar os R$ 20 milhões, de acorod com o site.

Já tiveram os nomes confirmados além da primeira-dama, o assessor político da prefeitura, Carlos Henrique Pinheiro, os filhos da primeira-dama, Mauricio Félix, que foi preso em Piracicaba e Murilo Félix, em São Paulo, as irmãs da primeira-dama, Verônica Dutra Amador e Lucimar Berberti Dutra, e o contador do prefeito, Daniel Henrique Gomes da Silva e uma mulher suspeita de ser laranja no esquema investigado, Lucélia Baliani. Também estão presos Isaías Ribeiro e Maria Alves de Sousa. As informações são do site EPTV.

 

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,primeira-dama-de-limeira-%28sp%29-e-presa-em-operacao-do-mp,802420,0.htm