Arquivo de dezembro, 2009

R$ 5oo mihões são pagos em diarias pelo Governo

Posted in 1 on dezembro 26, 2009 by gusbrum

O valor gasto com diárias em 2009 é quase 30% (29,5%) maior do que o total do ano passado, R$ 538.294.084,42

25/12/2009 13:13

BRASÍLIA – O Governo federal pagou neste ano mais de meio bilhão de reais em diárias para ministros e servidores púbicos em viagens nacionais e internacionais. De um total de R$ 697.075.119,98 de diárias pagas por órgãos da administração direta e indireta, 36 ministros receberam R$ 924.376,45. A maior parte, mais de R$ 687 milhões, foi distribuída entre cerca de 200 mil funcionários públicos em todo o país. O valor gasto com diárias em 2009 é quase 30% (29,5%) maior do que o total do ano passado, R$ 538.294.084,42.


O ministro Edson Santos foi o que mais recebeu diárias

O ministro da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Edson Santos, foi o que mais recebeu diárias, com R$ 67.192,39, seguido pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, com R$ 60.584,53.

Em julho deste ano, o Governo federal instituiu o pagamento de diárias nacionais para os ministros, entre R$ 458 a R$ 581, para cobrir despesas com alimentação, hotel e locomoção nas viagens pelo país. Até então, eles recebiam somente nas viagens internacionais, entre US$ 200 a US$ 300, por dia.

No mesmo ato, assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foram reajustadas as diárias dos servidores públicos do Governo federal, com base na inflação acumulada desde 2003. A menor diária passou de R$ 85 para R$ 178, e a maior de R$ 106 para R$ 224. O impacto da correção e das diárias nacionais para ministros foi calculado pelo Ministério do Planejamento em R$ 100 milhões neste ano.

Para 2010, foram reservados mais R$ 200 milhões para pagamento de diárias, já que os ministros vão receber as nacionais o ano inteiro, e o reajuste terá impacto em 12 meses. Os dados estão disponíveis no Portal da Transparência, vinculado à Controladoria Geral da União (CGU), e se referem aos 11 primeiros meses de 2009. Os gastos de dezembro serão incluídos por volta do dia 15 de janeiro de 2010 no Portal. O total levantado foi pago a cerca de 200 mil pessoas dos mais variados órgãos — ministérios, Forças Armadas, universidades federais, delegacias, gerências e unidades regionais, escolas técnicas e agrotécnicas federais, agências reguladoras, fundações e empresas públicas — o que dá uma média de R$ 3.500 por funcionário ao ano.

A assessoria de imprensa da Seppir, do ministro Edson Santos, disse que, ao longo deste ano, a secretaria coordenou a 2ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, que foi precedida de etapas nos 26 estados e no Distrito Federal, além dos encontros municipais. E o ministro participou de muitos deles. O ministro também teve atuação na revisão da Conferência das Nações Unidas contra o Racismo, igualmente precedida de rodas regionais na América Latina e Caribe, sob a liderança do Brasil.

A assessoria do Ministério da Defesa disse que o grande número de viagens realizadas por Jobim se deve à “natureza do cargo de ministro da Defesa e ao momento especial pelo qual passa o Ministério”. Para a assessoria, “deve, portanto, ser considerado natural se esse montante estiver acima da média de outros ministérios, que possuam outras características”. Além das visitas, houve ainda intenso envolvimento em negociações internacionais. Entre elas, reuniões do Conselho de Defesa Sul-Americano, visita a indústrias de defesa estrangeiras e visitas diplomáticas à África.

Fonte:
http://www.hojeemdia.com.br/cmlink/h…iarias-1.56435

R$ 169 milhões são desviados na Prefeitura de Londrina

Posted in 1 on dezembro 15, 2009 by gusbrum
Londrina
Felipetto e Cruz serão ouvidos hoje. Cruz é acusado de ser um dos responsáveis pelo esquema que desviou R$ 169 milhões da Prefeitura de Londrina, que resultou na cassação em 2000 do então prefeito Antônio Belinati (então no PFL) — marido da vice-governadora do Paraná, Emília Belinati (PTB).A previsão dos procuradores era de que o depoimento de Hübner acabasse na madrugada de hoje. Nas primeiras duas horas e meia, ele falou basicamente sobre a criação da Usimar e do financiamento da Sudam. Segundo o MPF, ficou claro que dos repasses de dinheiro da Sudam, em remessas de R$ 15 milhões em 24 de janeiro de 2001 e de R$ 29 milhões, em 5 de abril do mesmo ano, menos de R$ 5 milhões foram efetivamente gastos no projeto.

O restante foi desviado para pagamento de comissões, que chegaram a 30% na segunda remessa, para contas de empresas laranjas, como a Condor Factoring, do Rio de Janeiro, e enviadas para contas no exterior.

Dos R$ 44 milhões repassados, R$ 43 milhões foram inicialmente depositados na conta da empresa Engebron Incorporações de Obra Ltda, de Roderjan Busato, genro de Hübner. Daí o dinheiro era redistribuído para o pagamento de empresas e políticos envolvidos no processo de desvio das verbas.

R$1,2 bilhões em fraudes do Escandalo da Sudam

Posted in 1 on dezembro 15, 2009 by gusbrum

Três anos depois de oferecer denúncia à Justiça contra mais de 40 políticos, empresários e funcionários públicos acusados de terem surrupiado mais de R$ 1,2 bilhão dos cofres da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), sete procuradores da República com atuação na Amazônia Legal, nos Estados do Pará, Maranhão, Mato Grosso, Amazonas e Tocantins confessam-se decepcionados. Todos os indiciados nos 11 inquéritos instaurados e nas ações civis públicas estão ricos. E soltos. Os principais chefes do esquema de corrupção, livres das algemas, prosperaram em suas atividades.

Depois de ouvirem centenas de testemunhas e acumularem quase meia tonelada de documentos comprovando as fraudes na autarquia que geria a política de incentivos fiscais na Amazônia, procuradores, delegados e agentes da Polícia Federal envolvidos na apuração da roubalheira chegaram à triste constatação de que nenhum real sequer, do total bilionário de recursos roubados da Sudam, retornou ao Tesouro Nacional. De novo, mesmo, só o prédio-sede da antiga Sudam – hoje abrigando a Agência de Desenvolvimento da Amazônia (ADA) -, localizado à Avenida Almirante Barroso, em Belém do Pará, é que foi inteiramente pintado.

Apontado pelo juiz federal Alderico Rocha Santos, da 2ª Vara Federal do Tocantins, que decretou sua prisão preventiva, como “chefe da quadrilha” que saqueou a Sudam, o deputado federal Jader Barbalho (PMDB-PA) – ex-governador do Pará, ex-presidente do Congresso Nacional – integra a base de apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Congresso Nacional, participando ativamente do governo, inclusive com a nomeação de diretores do Banco da Amazônia e do presidente das Centrais Elétricas do Norte do Brasil (Eletronorte).

Há duas semanas, Barbalho foi um dos principais articuladores da candidatura do deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) à presidência da Câmara dos Deputados, promovendo almoços e jantares em sua mansão na capital. Deu no que deu: a acachapante derrota do candidato petista para Severino Cavalcante (PP-PE).

Sem mandato, após renunciar à presidência do Senado para não ser cassado, Jáder Barbalho, por meio de seu advogado de defesa, ainda tentou em 2002 obter foro privilegiado envolvendo nas fraudes da Sudam seu primo, o deputado federal José Priante (PMDB-PA), que até recentemente presidiu a poderosa Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados.

Foi a fórmula encontrada para tentar levar, à época, os inquéritos que apuram o esquema de corrupção na Sudam para a alçada do Supremo Tribunal Federal (STF), foro competente para processar parlamentares federais. “O requerido Jáder Fontenelle Barbalho, via advogado, apresentou neste Juízo pedido de remessa dos autos ao Supremo Tribunal Federal, ante os indícios da participação nos supostos fatos delitivos do deputado federal José Priante”, revelou o juiz Alderico Rocha Santos, da 2ª Vara Federal do Tocantins, que indeferiu o pedido de Jáder. A participação de Priante nas fraudes da Sudam continua sendo investigada pelo Ministério Público.

Milhões desaparecem quando Roseana Sarney governa

Posted in 1 on dezembro 12, 2009 by gusbrum

Projeto Salangô 53 milhões

Num ambicioso projeto de culturas de arroz e de limão irrigadas, sumiram 53
milhões de reais de verbas federais.
Nenhum hectare de arroz, nenhum pé de
limão foram plantados. O Tribunal de Contas da União, após pareceres de
auditores técnicos que visitaram o local, recomendou ao governo federal que
não dê mais um real ao projeto.

Pólo de confecções de Rosário 20 milhoes
O chinês de Taiwan Chao Kwo Cheng, amigo íntimo de Jorge Murad, arrancou recursos do Banco do Nordeste e do governo estadual e montou um pólo de confecções na região metropolitana de São Luís com a promessa de milhares de empregos.

O projeto, inaugurado por FHC, não passou de um barracão rústico com algumas máquinas de costura e milhares de costureiras frustradas. Fugitivo, com os financiamentos no bolso, Chao acabou preso pela Polícia Federal por estelionato e formação de quadrilha. Solto por obra de um habeas corpus, jamais devolveu um único real dos 20 milhões que conseguiu alavancar com o apoio da governadora.

Lagoa do Jansen 70 milhões
Inaugurado em 30 de dezembro passado, com festa, discurso e foguetório, o Parque Ambiental da Lagoa do Jansen, em São Luís, não resistiu à primeira chuva, duas semanas depois. Tendo custado 70 milhões de reais, enviados pelo mano Zequinha, ministro do Meio Ambiente, o lago artificial de pouco mais de 1 metro de profundidade transbordou, invadindo condomínios de classe média alta e casebres paupérrimos que o rodeiam. Dejetos, matéria vegetal não retirada e sujeira desmoralizaram o que Roseana havia chamado dias antes de “a nossa Lagoa Rodrigo de Freitas”. A despoluição, item mais caro do dinheiro gasto, simplesmente não foi feita.

Favorecimento à OAS  300 milhões
O jornalista Walter Rodrigues calcula em quase meio bilhão de reais as obras entregues por Roseana à notória empreiteira baiana OAS, sem falar nas denúncias de ligação com Antonio Carlos Magalhães. O projeto Italuís, de duplicação da adutora do Rio Itapicuru, no montante de 300 milhões de reais, além do projeto da Lagoa do Jansen, entre outros, são executados pela OAS. Em todos, irregularidades constatadas pelo Tribunal de Contas da União.
Educaçåo ANALFABETA de 102 milhões de Reais

educação no Maranhão, que apresenta índices vergonhosos, é um capítulo que a Globo, com certeza, jamais passará. Nem a imaginação fértil de dona Glória Perez, no seu folhetim eletrônico e medíocre, poderia contar, por exemplo, que em sete anos de governo dona Roseana não construiu uma única sala de aula. Muito menos, que a educação de 2º grau, à qual 400.000 jovens maranhenses não têm acesso por absoluta impossibilidade, foi substituída por um incrível contrato com a Fundação Roberto Marinho, no valor de 102 milhões de reais!

Quando o deputado estadual Aderson Lago (PSDB) denunciou a trama, a governadora resolveu baixar a cifra para 92 milhões de reais. E o Ministério Público se deu por satisfeito com esse “desconto” de 10 milhões na sangria. Escândalo que se amplia quando se lê a contundente ação da Federação dos Trabalhadores na Educação junto ao Ministério Público, denunciando que os professores serão substituídos por aparelhos de televisão e fitas cassetes da Globo, e que os candidatos selecionados no concurso público aberto (o primeiro em sete anos de governo Roseana!), na verdade, irão funcionar como bedéis, sem ministrar aula alguma, atendendo pelo pomposo apelido de “orientadores de aprendizado”.

Como se tudo isso fosse pouco, os 92 milhões de reais são apenas para as fitas. As apostilas dos alunos são por fora. Mais a bagatela de 16 milhões de reais, somente na primeira compra. Editadas por quem? Ganha uma passagem só de ida para a ilha de Curupu, com escala na sofisticada mansão da praia do Calhau, quem respondeu Editora Globo…

Neste mês de fevereiro teremos a primeira turma de formandos do “tele-ensino”, batizado pelo povo do Maranhão de “tele-engano”. São 124.000 adolescentes. Educadores e pedagogos locais prenunciam um baixíssimo nível de aproveitamento e uma péssima base educacional: “Será um exército de semi-analfabetos. A vantagem é que já sabem, pelo menos, desenhar o próprio nome”.

R$71 milhões sonegados pelo ex-governador de Minas, Eduardo Azeredo

Posted in 1 on dezembro 4, 2009 by gusbrum

O ex-governador do Estado de Minas Gerais, senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), vai ser denunciado pelo procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, por envolvimento com o mensalão mineiro, segundo reportagem publicada nesta sexta-feira no jornal “O Estado de S. Paulo”.

A PF apurou, segundo a reportagem, que a coligação de Azeredo arrecadou mais de R$ 80 milhões na campanha e só declarou à Justiça Eleitoral R$ 8,22 milhões. Do total gasto, conforme perícia do Instituto Nacional de Criminalística, R$ 10,8 milhões foram doados a mais de 170 candidatos de 19 partidos, além de avulsos. Em número de candidatos beneficiados, o PT ficou em primeiro lugar, com 35 nomes. Entre os candidatos tucanos, o segundo mais aquinhoado foi o atual governador de Minas Gerais, Aécio Neves, que recebeu R$ 110 mil

R$ 11 milhões no Caixa 2 do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda

Posted in Lista de escandalos on dezembro 4, 2009 by gusbrum

Um documento mantido até hoje sob sigilo revela detalhes do caixa 2 da campanha do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). A planilha foi feita pelo presidente do PSDB-DF, Márcio Machado, suspeito de ser o mentor da arrecadação ilícita em 2006. O manuscrito indica que a campanha de Arruda abordou pelo menos 41 empresas para conseguir doações e abastecer o caixa 2 com R$ 11 milhões. É o primeiro documento fora do inquérito da Polícia Federal que mostra o funcionamento do esquema que deu origem ao “mensalão do DEM” em Brasília. A contabilidade mostra empresas associadas à expressão “PG”, indicando pagamentos de empresas que não aparecem na prestação de contas de Arruda à Justiça Eleitoral. O documento tem anotações com os nomes das empresas e valores, uma coluna com dois saldos – um em dólar (US$ 342.900) e outro em reais (R$ 243.500) – e duas listas de receitas (R$ 1,1milhão) e despesas (R$ 1,1 milhão). No total, 20 construtoras estão relacionadas – pelo menos nove delas fecharam contrato com o governo que tomou posse em 2007. Por meio de seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, o tucano Márcio Machado confirmou a autoria da planilha. Vitorioso na campanha, Arruda fez dele seu secretário de Obras. Por causa do escândalo do “mensalão do DEM”, o PSDB exigiu que ele deixasse o governo na terça-feira. A anotação “PG” aparece à frente do nome de 12 dessas empresas. Márcio Machado, autor da lista, argumenta que não se recorda se isso significa que houve doação. Quando o “pago” não correspondia ao total supostamente prometido, ele anotava o montante devido. A Delta Engenharia, por exemplo, aparece listada com o valor de R$ 250 mil, “PG” de R$ 200 mil. O tucano anotou à frente: “-50”. Das 41 empresas listadas na planilha, apenas duas aparecem na prestação de contas de Arruda à Justiça Eleitoral, mas com valores diferentes e um total de R$ 260 mil doados: a CTIS (R$ 250 mil) e a CD (R$ 10 mil) – valores muito inferiores aos R$ 650 mil da lista de Márcio Machado. A Delta não consta entre as doadoras oficiais. Segundo Durval Barbosa, o secretário de Relações Institucionais que fez um acordo de delação premiada e denunciou o “mensalão do DEM”, o tucano era um dos “captadores do governador”. Machado disse ao Estado, por meio de seu advogado, que a planilha era uma projeção de doações que seriam solicitadas às empresas por meio do tesoureiro oficial da campanha, José Eustáquio Oliveira. O tucano afirma que não se recorda dos números nem acompanhou essas doações. A planilha foi esquecida por ele, em janeiro de 2007, dois meses após a campanha, numa visita a uma emissora de TV. Essa contabilidade se encontra também em poder do Ministério Público do DF.