Privatista, Doria recebeu R$ 10,6 milhões de governos

THAIS BILENKY
DE SÃO PAULO
29/09/2016  02h00
O candidato do PSDB a prefeitura de São Paulo, João Doria, faz visita a feira livre na avenida Elísio Cordeiro de Siqueira na Vila Mangalot, na zona oeste da capital, nesta quarta-feira (28).
O candidato do PSDB a prefeitura de São Paulo, João Doria,
faz visita a feira livre na zona oeste

Apesar de seu discurso privatista, o candidato a prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) recebeu aportes em suas empresas de pelo menos R$ 10,6 milhões de entes estatais desde 2005.

Doria não informa o faturamento de seu negócio, que inclui o Lide, organização de empresários que promove encontros periódicos entre a iniciativa privada e autoridades públicas.

Dados obtidos via Lei de Acesso à Informação revelam repasses da administração federal durante as gestões petistas de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff de cerca de R$ 6 milhões.

Do governo do Estado, comandado por seu padrinho político, Geraldo Alckmin (PSDB), as empresas de Doria receberam R$ 4,5 milhões entre 2010 e 2015. Todos os valores foram corrigidos pelo IGP-M.

A Desenvolve SP, banco de desenvolvimento do governo, patrocinou 33 eventos em valores que somam R$ 2,7 milhões. Além disso, o Executivo estadual fez anúncios nas revistas da Editora Doria que custaram R$ 1,8 milhão entre 2014 e 2015.

Em sua campanha pela prefeitura, Doria promete firmar diversas parcerias com a iniciativa privada.

Ele argumenta que concessões e privatizações na cidade economizarão recursos públicos e que “não faz sentido o Estado ser gordo e ineficiente como é”.

Como candidato, Doria combate o “jeito petista de administrar”. Mas ele fez diversos contratos com gestões petistas.

‘CANSEI’

A Petrobras investiu R$ 896 mil em empresas do Grupo Doria. Metade desse valor (R$ 448 mil) se deu em 2008, a título de patrocínio.

Naquele período, Doria aparecia no noticiário como símbolo do movimento Cansei, autodefinido como “apartidário e anticorrupção”.

Gritos de “fora, Lula” eram frequentes nos atos. Doria apoiou Alckmin na corrida presidencial contra Lula, em 2006.

Nos tempos de Cansei, Doria também se beneficiou de repasses dos Correios. Foram R$ 541 mil entre 2007 e 2008 da estatal federal.

Somando-se os recursos que seriam investidos até 2014, os Correios repassaram um total de R$ 1,8 milhão ao Grupo Doria.

Entre as contrapartidas, estavam convites a representantes dos Correios para os eventos patrocinados.

A Caixa Econômica Federal repassou R$ 160 mil entre 2013 e 2014 a fóruns de varejo e agronegócio promovidos pelo grupo do tucano. O Banco do Brasil contribuiu, em 2011, com R$ 83 mil no 2º Fórum de Empreendedores, em São Paulo. A Apex repassou R$ 2,6 milhões entre 2005 e 2015.

Já o Ministério do Esporte fez três contratos, todos durante a gestão de Orlando Silva (PC do B-SP). Em contrapartida, o então ministro teve direito a participação nos fóruns promovidos por Doria em Comandatuba (BA).

Em 2009, o ministério pagou R$ 320 mil por um estande no 8º Fórum Empresarial “visando à participação” no evento. No ano seguinte, a pasta desembolsou R$ 227 mil com o mesmo fim.

De toda a cartela de eventos realizados por Doria, o mais prestigiado é o Fórum Empresarial do Lide, organização que o tucano diz reunir 52% do PIB privado nacional.

Tradicionalmente promovido na ilha baiana de Comandatuba (foi transferido para Foz do Iguaçu recentemente), ficou famoso pelos luxos oferecidos, como massagens e sorteios.

Os convidados, que viajam e se hospedam sem custos, costumam incluir petistas e jornalistas de diversos veículos, inclusive da Folha.

OUTRO LADO

Doria afirmou não ver incongruências nos repasses. “Não há constrangimento, já que os investimentos não foram políticos e sim técnicos”, argumentou.

A campanha disse que é “exatamente como [acontece com] outros veículos incluindo os do Grupo Folha”, que edita a Folha.

Orlando Silva disse que participou dos eventos para “estimular empresas” a investir em projetos endossados pela pasta.

Disse que Doria “sempre foi crítico ao PT e o PT a ele”, mas diferenciou a relação política da institucional.

A Desenvolve SP disse que “os patrocínios foram regularmente contratados e as contrapartidas, executadas”.

Fonte: FOLHA DE SÃO PAULO

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: