Mais de R$ 300 mil desviados pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB)

Por: Zero Hora
18/06/2016 – 19h13min | Atualizada em 19/06/2016 – 09h24min

Ministério Público Federal pede bloqueio de bens de Eliseu Padilha e devolução de R$ 300 mil  Diego Vara/Agencia RBS

Padilha é amigo pessoal do presidente interino Michel TemerFoto: Diego Vara / Agencia RBS

 

 

O Ministério Público Federal (MPF) pediu à Justiça o bloqueio dos bens do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), e a devolução de R$ 300 mil em uma ação de improbidade administrativa. Ele é acusado de ter mantido uma funcionária fantasma em seu gabinete na época em que era deputado federal. As informações são da revista Veja e do Portal G1.

O pedido de bloqueio de bens e a devolução do dinheiro ainda não foram aceitos pela Justiça, que aguarda parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) sobre a continuidade do processo.

 

A ação proposta pelo MPF é decorrente de investigação que apurava o envolvimento de agentes públicos e empresários no desvio de recursos destinados à compra de merenda escolar em Canoas, na Região Metropolitana. No inquérito, iniciado em 2008, a Polícia Federal havia realizado escutas telefônicas para apurar as suspeitas. Durante a investigação, o nome de Padilha surgiu como um dos integrantes do grupo que fraudava as licitações, o que ele nega.

A Polícia Federal concluiu que a funcionária fantasma, motivo da ação de improbidade, recebeu salário como servidora do gabinete de Padilha por quatro anos. A suspeita é de que o titular da Casa Civil teria contratado a dona de casa como pagamento de favores a um empresário.

Segundo a revista Veja, em 2011, Eliseu Padilha foi indiciado pela PF por formação de quadrilha, mas o Supremo Tribunal Federal não analisou o mérito porque as gravações telefônicas eram ilegais. Na época, como tinha foro privilegiado devido ao seu mandato como deputado, as escutas deveriam ser autorizadas pelo STF.

Mesmo assim, a Corte enviou os áudios para a Justiça Federal para dar andamento à ação de improbidade administrativa contra Padilha pela suspeita de que ele manteve a funcionária mesmo sem ela trabalhar.

Ao G1, Padilha afirmou que a ação proposta pelo MPF leva em conta dados obtidos de forma ilegal pela Polícia Federal e que, por isso, devem ser considerados nulos. A defesa do ministro já entrou com pedido de nulidade na Justiça.

— Tenho certeza que o juiz vai considerar o pedido ilegal — disse Padilha.

Ele explicou que, apesar de a funcionária nunca ter frequentado o gabinete em Brasília ou em Porto Alegre, mantinha funcionários em diversos municípios do RS enquanto atuava como deputado federal.

— Isso é normal, todos os deputados mantêm funcionários espalhados pelo Estado. E o regimento interno da Câmara permite isso. Ou seja, não tem nada ilegal nisso — concluiu o ministro.

 

Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/06/ministerio-publico-federal-pede-bloqueio-de-bens-de-eliseu-padilha-e-devolucao-de-r-300-mil-6059561.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: