Acusações de corrupção na Santa Casa do RJ em 2013 revelaram dívida de R$ 300 milhões

Cristina BoeckelDo G1 Rio

Fachada do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, no Centro, considerado o coração da instituição (Foto: Cristina Boeckel/ G1)Fachada do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, no Centro, considerado o coração da instituição (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

Perto do aniversário de 434 anos da Santa Casa de Misericórdia, que será celebrado no dia 24 de março, a instituição tenta se reinventar. O Hospital Geral, que funciona na Rua Santa Luzia, no Centro do Rio, ainda não funciona na sua totalidade, mas oferece atendimento em mais de 40 especialidades médicas e em 20 ambulatórios diferentes, além de seguir formando futuros profissionais de saúde. Este é um dos passos no ressurgimento da Santa Casa, que tenta se recuperar de uma série de denúncias de corrupção nas quais foi envolvida nos últimos anos e que envolveram o nome de Dahas Zarur, o então provedor da Santa Casa do Rio.

Com um plano ambicioso de construção de um novo hospital, anexo ao prédio histórico de 1852 que funciona na Rua Santa Luzia, o Hospital Central da Santa Casa tenta ampliar sua capacidade de atendimento, que atualmente está restrita ao atendimento ambulatorial, e transformar o prédio tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em um centro de ensino e cultural.

Apesar de seguir funcionando, a Santa Casa do Rio tem atualmente uma dívida de R$ 300 milhões. A renda da instituição vem do pagamento das consultas e do aluguel de imóveis da instituição.

O atual provedor da Santa Casa, o juiz aposentado Francisco Horta, tentará pagar as dívidas trabalhistas com funcionários graças a autorização que obteve para vender dois dos mais importantes imóveis que pertencem à instituição: o Palácio São Cornélio, na Rua do Catete, na Zona Sul; e um terreno vizinho à Praça da Apoteose, no Centro. O dinheiro da venda não passaria pelas contas da Santa Casa. Seria encaminhado direto para a Justiça do trabalho, que fará as contas e o pagamento, ajudando a recadastrar todos os funcionários da instituição.

O prédio histórico chegou a ser totalmente interditado pela Vigilância Sanitária em outubro de 2013, pela falta de condições sanitárias para mantê-lo como hospital. Quando foi reaberta, a unidade voltou a funcionar somente como ambulatório. O local e seus anexos recebem atualmente, em média, de mil pacientes por mês, principalmente no horário da manhã. No começo do ano 2000, de acordo com os funcionários, o atendimento era de cerca de 15 mil pacientes por mês.

As consultas e exames são oferecidos a preços populares, mas quem não tem condições de pagar pode buscar gratuidade no serviço social do hospital. De acordo com os funcionários, a possibilidade de se consultar com médicos conceituados por um valor baixo ou até de graça é um diferencial.

“O hospital está vivo. A gente tem uma qualidade de atendimento que não deixa a desejar a ninguém”, afirmou o médico radiologista Hilton Koch, que é o mordomo da instituição, o que corresponderia ao cargo de gestor, além de comandar há 21 anos o serviço de radiologista.

Patrimônio histórico
Um dos maiores impedimentos para o pleno funcionamento do Hospital Geral da Santa Casa é o próprio prédio. O local é tombado pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o que acaba não permitindo reformas estruturais para adequá-lo às condições necessárias para transformá-lo novamente em um local de internações.

Enfermaria reformada recebe os últimos ajustes para receber pacientes que passaram por pequenos procedimentos (Foto: Cristina Boeckel/ G1)Enfermaria recebe os últimos ajustes para atender
pacientes que passaram por pequenos
procedimentos (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

Tentando solucionar parcialmente o problema, duas enfermarias, a quarta e a nona, foram reformadas e recebem os últimos ajustes para atender pacientes que passaram por pequenos procedimentos e que não precisem pernoitar no Hospital. Com a reabertura, a expectativa é de que outras quatro enfermarias sejam abertas até a metade do ano. Com isso, a instituição pretende pedir a retomada do vínculo com o SUS, o que reforçaria os cofres. Atualmente, o único setor que realiza pequenas cirurgias é a ginecologia, que funciona em um anexo, fora do prédio histórico.

“Essas áreas exigiriam obras estruturais muito grandes, o que o Iphan não permite. Por isso, vamos deixar a estrutura como está e usá-la do jeito possível, com serviços administrativos, com a realização de exames complementares, como os laboratoriais. Mas a internação de pacientes será impossível”, segundo o médico reumatologista Washington Bianchi, atual diretor médico do Hospital Geral da Santa Casa.

Corredor da reumatologia do Hospital Geral da Santa Casa do Rio, com pacientes esperando atendimento (Foto: Cristina Boeckel/ G1)Corredor da reumatologia do Hospital Geral da Santa Casa do Rio, com pacientes esperando atendimento (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

Formação profissional
Além do atendimento popular, o Hospital Geral da Santa Casa, fundado em 1582 por São José de Anchieta para prestar atendimento aos mais humildes, também foi o primeiro hospital-escola do país. O trabalho de formação profissional foi mantido. Alunos da graduação de duas instituições de ensino superior, a Estácio de Sá e a Souza Marques, e pelo menos dez cursos de pós-graduação trabalham e estudam com os profissionais de lá que, em boa parte, não recebe salário da Santa Casa, mas sim das universidades.

“A Santa Casa tem a missão de prestar assistência médica à população mais necessitada desde os tempos da fundação. Além disso, temos que manter a tradição no ensino”, explicou Washington.

Profissionais de outras áreas também oferecem serviços na unidade. É o caso da psicóloga Glauce Corrêa. Ela entrou na Santa Casa em 1999, como estudante, e se tornou voluntária a partir do ano 2000. Ela trabalha com a recuperação de pacientes com fibromialgia, artrite reumatoide, esclerodermia, artrose e lúpus, entre outros males.

“O mais bacana é ver a melhora dos pacientes, quando eles sentiam dores que achavam que ninguém compreendia a dor que estavam cansados de sentir”, afirmou Glauce.

Abandono de algumas áreas e projeto de nova unidade

Chafariz tem água parada e plantas crescendo dentro do Hospital Geral da Santa Casa, no Centro do Rio (Foto: Cristina Boeckel/ G1)Chafariz tem água parada e plantas crescendo
dentro do Hospital Geral da Santa Casa, no Rio
(Foto: Cristina Boeckel/ G1)

Durante a manhã o Hospital Geral da Santa Casa recebe um grande movimento de pacientes, médicos e estudantes, ainda longe do trabalho dos áureos tempos. Durante a tarde, apesar do funcionamento de alguns ambulatórios, como o de otorrino, por exemplo, a maioria dos corredores fica vazia. Com menos gente nos corredores, os problemas que sucatearam o local por anos ficam mais visíveis, como um chafariz com água parada e plantas e gatos circulando pelos corredores sem serem incomodados. Quando veem a aproximação de um humano, correm para o porão do prédio.

Apesar da reabertura de algumas enfermarias em breve, todos concordam que o local não possui condições de receber um hospital novamente. Por isso, a solução proposta pela instituição é a construção de um novo hospital, anexo ao prédio histórico e que não ficaria em uma área tombada.

Gato circula pelo corredor do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia, no Centro do Rio (Foto: Cristina Boeckel/ G1)Gato circula pelo corredor do Hospital Geral da
Santa Casa de Misericórdia, no Centro do Rio
(Foto: Cristina Boeckel/ G1)

O projeto do novo Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia já existe. Nele, a construção de 1852 seguiria funcionando com salas de aula, centro administrativo, espaços culturais e museus que contariam a história da medicina no Brasil, com utensílios que fazem parte do acervo do local.

“Vamos fazer um museu de história da medicina. Vamos fazer aqui teatro, cinema e aproveitar todo o Centro aqui em volta. A parte tombada será um centro de cultura”, afirmou Hilton Koch.

O mordomo da instituição também pretende levar em breve ao prefeito Eduardo Paes um projeto para um investimento da Prefeitura do Rio na área médica do Hospital Geral da Santa Casa.

Planta do projeto que transformará o prédio histórico da Santa Casa em centro de ensino e área cultural (Foto: Divulgação / Santa Casa de Misericórdia do Rio)Planta do projeto que transformará o prédio histórico da Santa Casa em centro de ensino e área cultural (Foto: Divulgação / Santa Casa de Misericórdia do Rio)

Novas eleições ainda em 2016
Apesar do atendimento seguir funcionando em todas as unidades da Santa Casa, as contas ainda fecham no vermelho.

Área externa receberá o novo Hospital Central da Santa Casa (Foto: Cristina Boeckel/ G1)Área externa receberá o novo Hospital Central da
Santa Casa (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

Francisco Horta foi designado para terminar de cumprir o mandato de Zarur no auge da crise. Ele fica no comando da instituição até meados deste ano, quando acontecerão novas eleições para gestor.

A credibilidade histórica da Santa Casa foi abalada em 2013, com a descoberta de um suposto esquema de venda ilegal de imóveis que eram doados para a instituição. O mesmo imóvel era vendido para mais de três compradores. Outro golpe nos cofres da instituição foi a perda da gestão de seis cemitérios da cidade.

Além do Hospital Geral da Santa Casa, no Centro, considerado o coração da instituição, a Santa Casa também sustenta na cidade o Hospital São Zacharias, em Botafogo; o Hospital Nossa Senhora das Dores, em Cascadura; o Hospital Nossa Senhora da Saúde, na Zona Portuária; Hospital Nossa Senhora do Socorro, no Caju; a Casa de Repouso Santa Maria e São Manuel, em Jacarepaguá; Educandário Romão Duarte, no Flamengo; Educandário da Misericórdia, em Botafogo. Todas as instituições sobrevivem sem receber dinheiro do poder público.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/03/apos-escandalos-de-corrupcao-santa-casa-do-rio-tenta-se-reinventar.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: