Operação Onda Verde da PF no Mato Grosso, descobre madeireiras ilegais

Madeira apreendida pelo Ibama em operação no município de Aripuanã (Foto: Divulgação/Ibama)Madeira apreendida pelo Ibama em operação no município de Aripuanã (Foto: Divulgação/Ibama)

Indústrias madeireiras multadas em quase R$ 5 milhões e 7,5 mil metros cúbicos de madeira ilegal apreendidos em Aripuanã, a 976 km de Cuiabá. Os números são do Ibama e se referem ao resultado da Operação Onda Verde de combate ao desmatamento nos meses de setembro e outubro no município. No período, cinco empresas foram embargadas pelo órgão ambiental por terem o produto em depósito sem licença e vendê-lo.

De acordo com o chefe-substituto de fiscalização da gerência do Instituto em Juína, Rafael Engelhardt, empresas infratoras utilizam os chamados créditos de madeira na tentativa de acobertar o produto extraído das áreas ilegais. Estes créditos são gerados daquelas áreas onde é autorizada a extração e servem para comprovar a origem da matéria-prima.

Mas segundo Engelhardt, aqueles créditos que sobravam das áreas legais eram comercializados e, por meio destes, tentava-se simular a legalidade da madeira presente nas empresas. “Mais de sete mil metros cúbicos de madeira encontrados não possuíam cobertura”, afirmou o agente.

Ao todo, 7,5 mil metros cúbicos de madeira foram apreendidos. (Foto: Divulgação/Ibama)Ao todo, 7,5 mil metros cúbicos de madeira foram apreendi-
dos (Foto: Divulgação/Ibama)

Conforme Engelhardt, os agentes do órgão constataram que algumas indústrias possuíam madeira, mas não contavam com o respectivo crédito. Enquanto isso, outras tinham o crédito, mas que não faziam referência à quantidade de produto encontrado nos pátios. No entanto, segundo o Ibama, não há comprovação se as empresas que possuíam a madeira em estoque também provocaram a retirada do material da área de floresta.

O Ibama também eliminou do sistema de controle cerca de 12 mil metros cúbicos de crédito falso, afirmou ainda Rafael Engelhardt.

Madeiras
O balanço do Ibama divulgado nesta quarta-feira (6) aponta que os maiores volumes de crédito fictício foram de madeira das essências cedrinho, cambará, jatobá, cupiuba, maracatiara e sucupira. Em uma única empresa os agentes flagraram 6,7 mil metros cúbicos de crédito virtual.

Quanto à madeira em depósito, mas sem o devido crédito, havia garapeira, angelim amargoso e angelim pedra. O Ibama suspeita ainda que boa parte das madeiras tenha sido extraída das duas áreas indígenas do município.

“Grande parte é das terras indígenas, mas há outras vindas de outras áreas de exploração sem licença”, finalizou o chefe de fiscalização.

O Ibama repassou parte do material apreendido para a prefeitura de Aripuanã, à Associação dos Idosos do município e à Fundação Nacional do Índio (Funai).

http://g1.globo.com/mato-grosso/agrodebate/noticia/2013/11/madeireiras-sao-multadas-em-quase-r-5-milhoes-por-crime-ambiental.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: